(11) 3652-6160 sac@dgtadm.com.br

7 maneiras de reduzir custos no condomínio

Gostou? compartilhe!

7 maneiras de reduzir custos no condomínio

Todos os meses, parece que surgem mais contas para pagar. Uma delas, para quem mora em condomínios, é a taxa mensal referente ao uso da área comum, que, apesar de ser esperada pelos condôminos, pode aumentar de acordo com os gastos. Mas será que é possível reduzir os custos no condomínio?

A verdade é que há inúmeras maneiras de fazer essa redução, ainda mais se houver uma ajuda especializada. Motivos para economizar não faltam, uma vez que os benefícios estão diretamente relacionados aos moradores. Então vamos entender como a administração de um condomínio consegue alcançar essa economia? Veja abaixo 7 dicas.

1- Entender bem o quadro de funcionários

Pesquisas mostram que mais de 60% dos custos do condomínio envolvem a folha de pagamento de funcionários, sejam eles de segurança, portaria, da limpeza, entre outros. É importante, neste caso, avaliar cada contrato ativo e quais vínculos são essenciais para garantir a ordem do condomínio (incluindo de empresas terceirizadas, que não deixam de ser boas alternativas), além de treinar os profissionais para aproveitarem seu tempo no local e não precisarem gastar com horas extras, por exemplo.

2- Economizar com energia

O desperdício de energia é algo comum entre os condomínios, ainda mais se a estrutura não foi bem planejada. Algumas dicas para economizar nesse aspecto são: inserir lâmpadas de LED, pelo menos nos locais de maior circulação, pois elas garantem uma economia de mais de 40% na conta em relação às lâmpadas tradicionais, além de instalar sensores de presença, com temporizador configurado de forma mais inteligente, já pensando na redução de custos.

3- Checar sempre!

Aqueles que prestam atenção no que acontece pelo condomínio conseguem apontar onde está o desperdício, e sejam condôminos ou funcionários, todos podem colaborar para ajudar nessa checagem. Por exemplo, se ninguém estiver usando a sala de jogos, a área da piscina ou as quadras (de lazer), qual seria a necessidade das luzes ficarem acesas? Pois muitas vezes é isso que acontece em áreas de lazer.

4- Evitar despesas extras com água

Os condomínios gastam bastante com água, principalmente aqueles que têm piscina – ou seja, a grande maioria. Por isso, as instalações do condomínio devem estar sempre sendo acompanhadas, já que qualquer vazamento deve ser notado para evitar o gasto desnecessário de água. Medidas simples, como a rega de plantas em horários mais adequados e pensando na evaporação de água (de manhã), também podem ser boas alternativas.

5- Prevenir-se com uma manutenção adequada

A manutenção é imprescindível em qualquer edifício, pois previne gastos surpresa com consertos e outros possíveis problemas. Portões, elevadores, equipamentos de segurança, redes elétricas e hidráulicas, todos precisam passar por uma manutenção periódica e, portanto, preventiva, para reduzir gastos futuros. A ideia é não esperar que uma manutenção corretiva precise ser feita, uma vez que, devido à urgência, o preço também pode ficar muito maior.

6- Orientar o uso consciente de serviços e materiais

Assim como os moradores precisam se conscientizar em relação à economia de água e luz, serviços que também diminuem custos no fim do mês, os funcionários precisam de orientação quanto ao uso de materiais de limpeza, por exemplo. De toda forma, o desperdício é sempre um fator negativo. Além disso, mais uma boa dica é avaliar as áreas que realmente precisam de limpeza diariamente, já que, dependendo do caso, é possível economizar materiais, água e, consequentemente, gastos.

7- Pensar fora da caixa

Mais do que seguir normas padronizadas entre os condomínios, é essencial pensar fora da caixa, fazer testes e arriscar algo novo. Um exemplo usado por apenas alguns condomínios na questão da água, por exemplo, é instalar um sistema de captação da água da chuva para determinadas atividades, praticando, assim, o reaproveitamento, ao invés do desperdício.

E por que não depositar a confiança em uma administradora de condomínios, que poderia bolar uma estratégia de redução de custos benéfica para todos? Além de fazer a gestão pessoal e financeira com departamentos próprios, a empresa também pode negociar contratos com fornecedores para buscar um equilíbrio entre as receitas e despesas do condomínio.

Neste caso, você também pode contar com a DGT Administradora, que trabalha justamente na gestão do condomínio, auxiliando na redução de custos e com suporte ao síndico no dia a dia. Afinal, ninguém precisa perder em bem-estar para economizar. Pequenas ações e planejamentos podem fazer toda a diferença!



Gostou? compartilhe!